Cá estamos nós!

Cá estamos nós!

segunda-feira, 9 de janeiro de 2023

quarta-feira, 21 de dezembro de 2022



Criado com o Padlet


                            CONCURSO SUPER LEITOR

Criado com o Padlet


A BIBLIOTECA ESCOLAR deseja 
um FELIZ NATAL  e 
ÓTIMO ANO NOVO
cheio de boas leituras e muitas alegrias para todos!

 

terça-feira, 13 de dezembro de 2022

10 de dezembro  

Dia Internacional dos Direitos Humanos

 

Todas as crianças têm direitos. Direitos próprios, enquanto seres humanos e enquanto homens e mulheres em desenvolvimento. A ONU considera esse aspeto tão importante que, em 1959, aprovou a Convenção Internacional dos Direitos das Crianças para as proteger até aos 18 anos. 



 

 


PODERÁS VER NA TOTALIDADE  AQUI

E AGORA UM QUIZZ, PREENCHE CORRETAMENTE E GANHA PRÉMIOS!



quarta-feira, 7 de dezembro de 2022

É quase Natal, daí a Biblioteca Escolar divulgar a maioria dos livros para todos que procurem leituras natalícias, a partir do nosso acervo. 
Assim cá está em painel digital, sempre em construção, inclusive convosco, pois conta com as vossas sugestões e acréscimos, sempre bem vindos. 
NOTA: A necessidade de aprovação só acontece para orientar o que há de novo a acrescentar à listagem principal. 
 Boas doces leituras a todos OH! OH! OH!

Criado com o Padlet

terça-feira, 22 de novembro de 2022

 


LEITURAS CENTENÁRIAS

                                            JOSÉ SARAMAGO

José Saramago foi ao seu passado de criança buscar o material para esta narrativa literária autobiográfica.

O escritor evoca o avô e a avó maternos, Jerónimo e Josefa, fala-nos do seu modo de ser e de estar, põe-nos perante a vida humana no seu esplendor de comunhão com o que existe de mais simples, natural e, afinal, mais profundo: a liberdade infantil, a partilha de valores, a ligação aos elementos da natureza, o amor, a morte.

A arte pictórica de João Fazenda une-se à palavra de Saramago, interpreta-a e tradu-la. O resultado é um mundo-outro que só a memória e a arte podem construir; um mundo em que o mais real e precário se transformam no mais sublime e eterno.


ANTÓNIO BASTOS, VALE GRANDE 4A



                                                          Casal da Serra 4A


                     
               
                  

                 
                                            VALE GRANDE 4A








E se as histórias para crianças passassem a ser leitura obrigatória para os adultos?
Seriam eles capazes de aprender realmente o que há tanto tempo têm andado a ensinar?
                                                                                                                   José Saramago


O narrador relembra uma passagem em que travou um embate com um peixe. O animal, ao morder a isca da cana do miúdo, arrancou o isco, o anzol e a linha, deixando o menino perplexo e certo de que se tratava de um animal monstruoso. Então, ele vai a correr à casa da avó, prepara a cana outra vez e volta ao rio para se vingar da besta – que ele imagina ainda estar lá.
«Voltei ao sítio, já o Sol se pusera, lancei o anzol e esperei. Não creio que exista no mundo um silêncio mais profundo que o silêncio da água. Senti-o naquela hora e nunca mais o esqueci.»
Publicada originalmente em As Pequenas Memórias (2006), esta recordação de infância de José Saramago transformou-se num conto universal, pleno de sabedoria e doçura.




«E houve também aqueles dois gloriosos dias em que fui ajuda de pastor, e a noite de permeio, tão gloriosa como os dias.

Perdoe-se a quem nasceu no campo, e dele foi levado cedo, esta insistente chamada que vem de longe e traz no seu silencioso apelo uma aura, uma coroa de sons, de luzes, de cheiros miraculosamente conservados intactos.

O mito do paraíso perdido é o da infância – não há outro. O mais são realidades a conquistar, sonhadas no presente, guardadas no futuro inalcançável. E sem elas não sei o que faríamos hoje.

Eu não o sei.» Neste fragmento de A Bagagem do Viajante (1973), José Saramago recorda o dia em que foi ajudar o tio a vender porcos na feira."





«O Lagarto» é um conto breve incluído em "A Bagagem do Viajante" (1973), volume que reuniu as crónicas escritas por José Saramago para o diário "A Capitale para o semanário Jornal do Fundão, entre 1971 e 1972. A história narra o aparecimento no Chiado de um misterioso lagarto, cuja presença surpreende os transeuntes e mobiliza os bombeiros, o exército e a aviação. Num estilo claro e preciso, a fábula oferece uma pluralidade de sentidos capaz de cativar leitores de todas as idades.







Para saberes mais, clica   AQUI !!!

quinta-feira, 17 de novembro de 2022

Book titled 'A Princesa Baixinha'Read this book made on StoryJumper










 

LEITURAS CENTENÁRIAS

                                            JOSÉ SARAMAGO

José Saramago foi ao seu passado de criança buscar o material para esta narrativa literária autobiográfica.

O escritor evoca o avô e a avó maternos, Jerónimo e Josefa, fala-nos do seu modo de ser e de estar, põe-nos perante a vida humana no seu esplendor de comunhão com o que existe de mais simples, natural e, afinal, mais profundo: a liberdade infantil, a partilha de valores, a ligação aos elementos da natureza, o amor, a morte.

A arte pictórica de João Fazenda une-se à palavra de Saramago, interpreta-a e tradu-la. O resultado é um mundo-outro que só a memória e a arte podem construir; um mundo em que o mais real e precário se transformam no mais sublime e eterno.


ANTÓNIO BASTOS, VALE GRANDE 4A



                                                          Casal da Serra 4A




E se as histórias para crianças passassem a ser leitura obrigatória para os adultos?
Seriam eles capazes de aprender realmente o que há tanto tempo têm andado a ensinar?
                                                                                                                   José Saramago


O narrador relembra uma passagem em que travou um embate com um peixe. O animal, ao morder a isca da cana do miúdo, arrancou o isco, o anzol e a linha, deixando o menino perplexo e certo de que se tratava de um animal monstruoso. Então, ele vai a correr à casa da avó, prepara a cana outra vez e volta ao rio para se vingar da besta – que ele imagina ainda estar lá.
«Voltei ao sítio, já o Sol se pusera, lancei o anzol e esperei. Não creio que exista no mundo um silêncio mais profundo que o silêncio da água. Senti-o naquela hora e nunca mais o esqueci.»
Publicada originalmente em As Pequenas Memórias (2006), esta recordação de infância de José Saramago transformou-se num conto universal, pleno de sabedoria e doçura.




«E houve também aqueles dois gloriosos dias em que fui ajuda de pastor, e a noite de permeio, tão gloriosa como os dias.

Perdoe-se a quem nasceu no campo, e dele foi levado cedo, esta insistente chamada que vem de longe e traz no seu silencioso apelo uma aura, uma coroa de sons, de luzes, de cheiros miraculosamente conservados intactos.

O mito do paraíso perdido é o da infância – não há outro. O mais são realidades a conquistar, sonhadas no presente, guardadas no futuro inalcançável. E sem elas não sei o que faríamos hoje.

Eu não o sei.» Neste fragmento de A Bagagem do Viajante (1973), José Saramago recorda o dia em que foi ajudar o tio a vender porcos na feira."





«O Lagarto» é um conto breve incluído em "A Bagagem do Viajante" (1973), volume que reuniu as crónicas escritas por José Saramago para o diário "A Capitale para o semanário Jornal do Fundão, entre 1971 e 1972. A história narra o aparecimento no Chiado de um misterioso lagarto, cuja presença surpreende os transeuntes e mobiliza os bombeiros, o exército e a aviação. Num estilo claro e preciso, a fábula oferece uma pluralidade de sentidos capaz de cativar leitores de todas as idades.







Para saberes mais, clica   AQUI !!!

segunda-feira, 14 de novembro de 2022



Nomeação de livros – última chamada!

Termina já no dia 18 de novembro a nomeação dos livros favoritos para Miúdos a Votos!

Todos os alunos, podem apresentar o seu livro preferido a candidato às eleições deste ano letivo. Para tal têm de preencher o formulário de nomeação.

Aos professores que queiram saber mais ou para darem sugestões, no dia 15 de novembroa partir das 17h30, estão convidados a participar numa sessão em linha, através desta hiperligação. A participação nesta sessão não implica inscrição prévia e o acesso é livre.


stórias para crians




Os alunos do 4A da EB Casal da Serra, foram desafiados para a escrita e apresentaram os textos seguintes: